Make your own free website on Tripod.com
O arco japonês O arco húngaro O arco árabe O arco coreano O arco inglês
O arco Chinês Os cavaleiros da Mongólia     A besta
Como armar e puxar um arco asiático Como atirar com arco instintivo     Uma curta história do arco no ocidente

 

 

Histórico

 

 

Um excelente site sobre o arco em inglês é:

http://victorian.fortunecity.com/manet/394/page23e.htm

http://www.centenaryarchers.gil.com.au/archery.htm

http://www.archerysociety.org/compoundbowsA.html

International Bamboo Arrow Society
- Dedicated to the crafting and use of bamboo, reed and cane arrows from around the world. Includes photos, links, and information about bamboo arrows.
 

 

 

Os primórdios do arco e da flecha

 

Escrito por José Ricardo Lopes

 O tiro com arco é uma das artes mais antigas e que ainda continua sendo praticada. A história da evolução do arco e flecha no mundo nos remete à história da própria raça humana.

Alguns historiadores acreditam que o arco e flecha é uma das três mais importantes invenções da Humanidade, junto com a descoberta do fogo e o desenvolvimento da linguagem.

            No início, paus e pedras eram as únicas armas do homem contra predadores maiores, mais fortes e mais rápidos. Mas, armado com arco e flecha, o Homem subitamente se tornou o mais eficiente caçador na Terra, capaz de atirar em sua presa com precisão de uma distância segura. O arco e flecha deu aos homens maior proteção, uma dieta rica em proteínas, e também um suprimento mais abundante de materiais crus como ossos, tendões e peles, dos quais os primeiros humanos dependiam.

            Primitivas pinturas de cavernas, tais como as descobertas no leste da Espanha, provam que o homem já caçava com arco e flecha há pelo menos 12.000 anos. Antigas pontas de flecha encontradas em Bir-El-Atir, na Tunísia, datam de mais longe ainda, algo como 40 mil anos atrás. Evidencias de arcos tem sido encontradas em todas as partes do mundo, inclusive na Austrália, onde inicialmente se pensou que o arco não teria sido usado.

 

O arco através dos tempos

 

Apesar do arco e flecha datar da Idade da Pedra, os primeiros registros históricos indicam que os Egípcios o utilizaram 5000 anos AC com propósitos de caça e como arma de guerra.

Em 1200 AC, os Assírios construíram arcos mais recurvados e menores, aumentando a potencia de tiro e facilitando o uso quando montados em cavalos.

Na China, o arco data da dinastia Shang (1766-1027 AC). Durante a dinastia Zhou (Chou) (1027-256 BC), os nobres da corte promoviam campeonatos de arco e flecha acompanhados de música e elegantes saudações.

No Japão, uma de suas artes marciais originalmente conhecida como kyujutsu (a arte do arco), e atualmente conhecida como kyudo (caminho do arco), continua sendo praticado até hoje nos mesmos padrões de seus ancestrais. Depois de um ritual de movimentos, o arqueiro se dirige para a linha de tiro e atira num alvo de 36 cm de diâmetro colocado num banco de areia e encoberto, a uma distancia de 28 metros. O arco tem 2,21 metros de comprimento e é construído com lâminas de bambu e madeira.

No período Greco-Romano, o arco era usado mais para caça do que para guerra. Tanto os Gregos quanto os Romanos usaram os Cretoneanos como arqueiros. Os Romanos eram considerados arqueiros de segunda categoria, pois puxavam o arco até o peito e não usavam a puxada longa até a face, o que dá mais precisão ao tiro. Desta forma os seus oponentes sempre apresentavam maior habilidade no tiro com arco.

Os Parthians (ancestrais dos povos Asiáticos) por exemplo, foram cavaleiros que desenvolveram a habilidade de rotacionar sobre a sela e efetuar o tiro com arco para trás, em pleno galope. A superioridade dos equipamentos e das técnicas dos orientais continuou por séculos, e até hoje os atletas koreanos têm atuação marcante nos Jogos Olímpicos.

Para os nativos Americanos o arco foi um instrumento de subsistência e de sobrevivência durante os períodos de colonização.

 Estudos recentes no Brasil mostraram o perfil verdadeiro dos Bandeirantes. Eram mestiços que utilizavam o arco e flecha como arma nas suas jornadas pela conquista de terras e ouro.

 

As lendas

 

            As lendas que chegaram até nós de arqueiros famosos, essencialmente européias, geralmente bastante fantasiosas, nos revelam ideais cavalheirescos de heróis defensores dos oprimidos, tais como Robin Hood, o nobre que se revoltou contra a opressão do tirano e “roubava dos ricos para devolver aos pobres”, amplamente veiculado em filmes e histórias que povoam nossa imaginação desde crianças; de protetores de seus entes queridos, como o suíço Guilherme Tell (que em verdade era um balesteiro, que atirava de besta ou balestra, e não arqueiro), entre outros.

            No Brasil, a figura do arqueiro nativo não se associa, geralmente, ao herói como costumamos imaginar, mas simplesmente ao do indígena que usa o arco, de forma hábil, para pescar, caçar e guerrear. Exceção é feita ao personagem “Peri”, do romance “O Guarani” de José de Alencar, que tem sentimentos e atos que mais se parecem com aqueles dos heróis cruzados.

 

O arco como esporte

 

            A primeira competição organizada de arco e flecha que se tem registro ocorreu em Finsbury, Inglaterra em 1583 e contou com 3000 participantes!

Durante a Guerra dos 30 anos (1618-1648), ficou claro que o arco como arma de guerra pertencia ao passado, devido à introdução das armas de fogo. Desde então o tiro com arco tem se desenvolvido como esporte e lazer.

A evolução do esporte

O Tiro com Arco foi introduzido nos Jogos Olímpicos em 1900 e tiveram outras competições em 1904, 1908, e 1920. Nestes quatro Jogos os arqueiros poderiam participar de vários eventos e portanto conquistar muitas medalhas. Hubert van Innis (BEL) é o arqueiro mais condecorado na história dos Jogos Olímpicos, conquistando seis medalhas de ouro e três de prata em 1900 e 1920.

O Tiro com Arco foi reintroduzido nos Jogos Olímpicos em 1972 com disputa individual nas categorias masculino e feminino. Nestes jogos John Williams e Doreen Wilber dos Estados Unidos conquistaram as medalhas de ouro. A competição por equipe foi inserida na Olimpíada de Seoul em 1988.

 

A atualidade

 

            Em 1992, uma forma de disputa mais competitiva foi adotada: o novo “Round Olímpico”, conhecido por aqui como “combate”. Nos 2 primeiros dias, os arqueiros atiram o round FITA clássico (2 distâncias por dia). Os primeiros 32 colocados avançam para a disputa de eliminatória simples, atirando contra seus alvos,  disputando 1 a 1 com o outro arqueiro quem passa para a próxima fase, a 70m de distância. As disputas se sucedem até que sejam determinados aqueles que disputarão as medalhas. Empates são decididos por uma única flecha, chamada “flecha de morte”, sendo considerado vencedor aquele tiro mais próximo do centro. O novo round Olímpico tornou a disputa por medalha individual menos demorada, mais competitiva e emocionante, até para o público leigo, sendo geralmente transmitida ao vivo pela TV.

            Atualmente, os sul-coreanos se destacam como equipe masculina e são imbatíveis em todas as modalidades femininas. Individualmente, porém, o conhecimento do local de tiro, fatores climáticos e até torcida são relevantes, tanto que na Olimpíada de Atlanta  1976 sagrou-se medalhista de ouro o americano Justin Huish; e na de Sidney 2000 o australiano Simon Fairweather.

O número 1 do mundo (pelo ranking da FITA) é, ainda, o italiano Michele Frangili.

 

O arco e flecha no Brasil

 

No Brasil o Tiro com Arco teve início em 1955 quando um piloto da Pan-Air, após conhecer o esporte em Portugal, criou interesse e ao se aposentar trouxe alguns equipamentos para o Brasil e começou a praticar.

Em 09 de julho de 1991, na Cidade do Rio de Janeiro, foi fundada a Confederação Brasileira de Tiro com Arco – CBTARCO.

Desde então os atletas brasileiros passaram a representar o nosso país em várias competições, como Campeonatos Mundiais, Campeonatos das Américas, Jogos Pan-americanos e Jogos Olímpicos.

A CBTARCO atualmente tem como Presidente o Sr. Vicente Fernando Blumenschein, sendo composta pelas Federações do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás e Espírito Santo.

A Direção técnica se encontra a cargo do Sr. Renato Dutra e Melo Emilio, tendo como colaboradores o Sr. Anselmo Nilo Hernandes e Sr. Paulo Gonçalves Cerqueira os quais realizaram treinamento específico em programa da Solidariedade Olímpica.

 

O arco e flecha em Brasília e na região 

 

            Algumas pessoas já podem ter visto, em anos anteriores, em certos lugares isolados (e improvisados) de Brasília, “arqueiros” atirando com arco e flecha, de forma despretensiosa ou como atividade de lazer. Com certo grau de experiência pode-se afirmar que certamente existem, entre tantos moradores, provavelmente algumas dezenas de possuidores de equipamentos de arco e flecha, nacionais ou importados, que compraram seus arcos por motivos diversos (lazer, caça, pesca, vontade de conhecer o esporte, etc), e que não são conhecidos uns dos outros ou do público em geral e interessados por aqueles motivos próprios do esporte, e porque a cidade não tem um local específico e conhecido onde se possa praticar o Tiro com Arco, ou simplesmente atirar informalmente. Não existe, até hoje, no Distrito Federal, um clube, associação ou federação com representatividade nacional, ou que tenha se tentado – e conseguido – iniciar a atividade e levá-la adiante.

            Em março de 2000, a recém-fundada Federação Goiana de Tiro com Arco – FEGOTARCO – cujo presidente é o Sr. Paulo G. Cerqueira, promoveu um curso de noções de tiro com arco no Clube de Engenharia de Goiânia, contando com as presenças dos senhores Vicente Fernando Blumenschein, presidente da CBTARCO, e  Renato Dutra e Melo Emilio, Diretor técnico, seguido de uma prova que seria a 1ª etapa do I Campeonato Goiano Indoor. Àquela ocasião compareceram três arqueiros de Brasília, todos com objetivos semelhantes: informações gerais, um primeiro contato com o esporte, com atiradores experientes, aquisição de materiais, etc. Entre eles este instrutor, que buscava retornar a atirar com arco, depois de 8 anos afastado do arco e flecha (que é como se podia chamar tudo o que eu tinha feito até então) por motivos profissionais e diversos. Coincidentemente, todos nos interessamos pelo arco olímpico, apesar de já haverem em Goiânia excelentes arqueiros de composto. Desde esta época, continuamos participando das competições, apareceram diversos outros interessados, e locais mais apropriados para treino foram sendo descobertos. Com certeza, o apoio da FEGOTARCO e de arqueiros verdadeiros, na concepção da palavra, como Henrique Junqueira Campos, presidente do Clube Goyaz de Arco e Flecha, Mauro Sagnori, Rodrigo Giordani, entre outros, tem sido de inegável importância para o crescimento do esporte em nossa região.

A partir de 2001, vários arqueiros de Brasília, que ainda competiam por Goiânia, se reuniram para fundar algumas associações, para divulgar e incentivar o esporte do tiro com arco e o lazer de atirar com arco e flecha na região, e ser possivelmente o “embrião” de uma futura federação brasiliense ou do Distrito Federal. Entre elas, a ACERTA – Associação Cerrado de Tiro com Arco, cujo presidente é o Sr. Sérgio Luiz Del Corso, e mais recentemente a ATIRA, Academis de Tiro com Arco, pelo Sr. Tin Po Huang.

Aliado a tudo isto, por iniciativa do Tcel Gomes Bezerra, Tcel Menna Barreto e Tcel Samuel, todos do CMB, surgiu em 2001 uma idéia memorável e pioneira de se criar nas instalações do Colégio Militar de Brasília, dentro das possibilidades e responsabilidade do Grupo de Atividades Especiais, e sob a égide da Associação de Pais e Mestres, a Seção de Tiro com Arco, cujos objetivos já foram traçados na apresentação. Fui convidado para assessorar a aquisição dos equipamentos e coordenar a "escolinha", que teve suas primeiras turmas concluídas em 2002.

Com a extinção do GAE no final de 2002, a recém criada ATICA (Associação de Tiro com Arco de Brasília) passou a exercer parte deste papel de divulgador,  incentivador e ao mesmo formador de futuros “talentos” locais ou mesmo nacionais, o que desde já parece ter seu sucesso garantido, dada a grande procura de jovens por um esporte até então considerado “elitizado” e monótono. E a cada dia eles nos surpreendem, obrigando-nos a manter constante atualização e treinamento. Nenhum de nós é profissional deste esporte, somos apenas incentivadores apaixonados. E os resultados nos mostram que estamos trilhando um caminho longo, difícil e de pouco reconhecimento mas, creio eu, pelo menos da forma correta.

        O futuro do esporte do tiro com arco, em nossa região, da perpetuação desta idéia e da obtenção dos resultados, é responsabilidade nossa, dos organizadores, instrutores, colaboradores, atletas, alunos e pais, e de todos os que agora estão, de uma forma ou de outra, definitivamente “envolvidos” pela magia do Arco e da Flecha, com seu simbolismo de procura de um objetivo, precisão, rapidez para se encontrar o alvo, beleza e pureza dos movimentos.

 

        Em 2004 a ATICA em parceria com o Clube do Exército criou a primeira escola de arqueirismo do DF com uma área oficial de treinamento para competições outdoor e de uma área coberta para treinamento das distancias indoor.

        Em 11 de Set de 2004 os atletas da ATICA representaram pela primeira vez Brasília no campeonato brasileiro de tiro com arco e flechas que ocorreu em Botucatu, SP conquistando um quinto lugar na individual e um quarto por equipe na modalidade arco olímpico, com alunos da escola de arqueirismo. A este ponto gostaria de agadecer o patrocínio e a ajuda do Clube do Exército e em especial ao General Denardi, Cel Theófilo, Cel Walter (diretor do Clube do Exército), Tcel José Eduardo (diretor do departamento de tiro com arco do clube do exército e um dos integrantes do time de Brasília na modalidade arco composto) e ao Cap José Ricardo (presidente da Atica e um dos integrantes da equipe de arco olímpico da Atica).