Make your own free website on Tripod.com

voltar

Observando a postura de tiro pode-se determinar o caráter do arqueiro

"ditado Coreano"

 

Yabuzame Kyudo em cima de cavalo

 

Kyudo

O arco japnês

 

 

 

links para outras páginas em inglês:

   www.kyudo.com/

   www.kyudo.com/kyudo.html

Voltar para: treino básico, como soltar a flecha

 

 

 

 

 

 

KYUDO
 

O caminho (do) do tiro com arco (kyu)

 

 

 

Kyudo significa literalmente o caminho do arco, e é considerado por muitos como uma das mais puras formas de arte marcial.No passado, o arco foi usado para caçar, guerrear, em cerimônias, jogos e competições. A velha palavra para arqueiro era Kyujutsu (técnicas de tiro com arco) que levavam em contas a arte de lutar e guerrear com o arco. Algumas desta velhas escolas denominadas de RYU sobreviveram os tempos junto com velhas cerimônias provenientes do Shitoismo e Budismo, e transformaram a velha arte de guerrear em uma filosofia que é praticada atualmente pelos adeptos do Zen para desenvolver a concentração, a mente, a moral e o espírito.

Ninguém sabe por certo quando o arco surgiu no Japão sob o nome de Kyudo, mas foi nos fins do séc 19 que esta terminologia ganhou popularidade entre os praticantes deste esporte. O objetivo do moderno Kyudo é alinhar a mente, endireitando, deixando-a sincera, através da prática do tiro certeiro e direto, onde todos os movimentos são executados em perfeita harmonia. O tiro perfeito não é aquele que acerta o centro do alvo e sim aquele em que a flecha já faz parte do centro do alvo antes de ter deixado o arco.

Dos muitos livros sobre esta arte, o mais popularizado no ocidente foi o de Eugen Herrigel, Zen in the art of archery, escrito em 1930. Este é praticamente uma literatura obrigatória para todos interessados neste esporte e na cultura japonesa.

Kyudo não é uma religião e sim um exercício para se adquirir crescimento espiritual. ele foi influenciado ao longo dos anos pelo Budismo, em especial o Zen Budismo e pela velhas crenças locais, o Shintoismo, que tem mais de 2000 anos de existência na ilha japonesa.Grande parte da atitude, do ritual e das técnicas treinadas na prático do Kyudo têm sua origem no Shintoismo.

Já a influencia do Zen é mais recente. Ela data o período Kamakura (1185-1333) quando os guerreiros adotaram o Zen como método de treino mental e ético. A influência do Zen aumentou consideravelmente nos séc 17 a 18 quando o arco começou a ser substituído pela arma de fogo.

                                        

 

O arco mede em regra 2,35 metros de cumprimento, sendo feito de bambo com outros tipos de madeira, é portanto um arco composito (um arco feito por mais do que um material).

 

 

 

 

A história do Kyudo

 

 

 

Por causa das muitas lendas é difícil determinar a verdadeira idade da prático de tiro com arco no Japão. Mas mesmo assim, comparando vários dados diferentes, se pode dividir o desenvolvimento do arco em cinco períodos:

O pré-histórico: 7000 AC a 330 DC.

O antigo: 330 a 1192.

O feudal: 1192 a 1603.

O transitório: 1603 a 1912.

E o moderno: de 1912 aos dias atuais.

 

 

O período pré-histórico:

Podemos afirmar que a evolução doa arqueiro japonês coincidiu com o desenvolvimento do arco japonês. Os mais velhos habitantes das ilhas japonesas, os Hiut índios, que viviam de caça e coleta cuja cultura é denominada de Jamon dependia muito do arco. Seus arcos eram curtos e usados primordialmente para caça, mas se acredita que também eram usados na luta entre tribos rivais. De 250 AC a 330 BC a cultura Yayoi prosperou e o arco serviu como um símbolo de poder e influencia política (status). As lendas falam que o primeiro imperador japonês foi Limmu (ilustrado ao lado) que ascendeu ao trono em 660 AC, mesmo tal fato ser contestado por muito historiadores. o interessante é notar que na maioria das pinturas que o retratam ele sempre aparece segurando um arco. Um entalhe em bronze da mesma época amostra um guerreiro segurando um arco longo e assimétrico. E relatos chineses falam que os Japoneses usavam arcos cuja parte inferior era mais curta do que a superior. E provavelmente que este tipo de arco foi adotado pelos japoneses durante a era Yayoi.

 

 

 

 

O período antigo:

Durante este período o Japão foi muito influenciado pela cultura chinesa. Foi nesta fase em que o arqueirismo virou parte das cerimônias imperiais, e os construtores de arcos começaram a usar as técnicas chinesas de fazer arcos, os arcos compósitos, feitos de mais do que um material. Foi nesta época que surgiram os Samurais.

 

 

O período feudal:

Em 1192 Minamoto no Yoritomo recebeu o título de shogun, um titulo que representava um governador militar, e ele estabeleceu regras severas para seus guerreiros. E como parte do treino, Ogasawara Nagakiyo, o fundador da escola Ogasawara  Ryu, introduziu a arte de atirar de cima do cavalo de um jeito mais estruturado e formal. Daí surgiram várias escolas, que foram denomindads de Kyujutus (a arte de lutar com arco). Uma das escolas mais influentes da época foi a de Heki Danjo Masatsugu, o fundador do estilo Heki Ryu, que viveu de 1443 a 1502. A ele se atribui ser quem determinou o jeito e as normas de treino do Kyujutsu. E foi durante este período que se chegou ao auge na construção do arco (do mesmo jeito que nem com a espada). A arte alcançou a perfeição nos fins do séc 16, sendo nunca mais superada. E foi em seu auge, nos fins do séc 16, com a introdução da arma de fogo que também foi o fim do arco como arma de guerra, quando Oda Nobunaga, comandando uma unidade de soldados armados com mosquetes derrotou as unidades de arqueiros na batalha de 1575.

 

 

O período transitório:

No séc 17 as guerras civis no Japão começaram a desaparecer e foi ai que o Kyujutus gradualmente se transformou em Kyudo. em outras palavras, as técnicas de guerrear e matar se transformaram em uma forma de crescimento espiritual e desenvolvimento pessoal. No séc 20 Honda Toshizane, um instrutor de Kyudo da Universidade Imperial de Tókio combinou elementos de guerra com elementos cerimoniais criando um sistema hibrido denominado Honda Ryu. Mesmo sendo rejeitado pelas escolas tradicionais, se deve a seu sistema que o Kyudo sobreviveu os tempos e ganhou tanta popularidade.

 

 

O período moderno:

Nos começos dos anos 30 foi claro que o Kyudo teria que passar por reformas se quisesse permanecer existente. O kyudo, junto com todas as outras formas de artes marciais foi banido durante a época de ocupação americana depois da segunda guerra mundial. Somente em 1949 as artes marciais foram autorizadas no Japão e o Zen Nihon Kyudo  Renmei (conhecido também por All Nippon Kyudo Federation) foi fundada. Em 1953 o kyudo kyohon (manual) foi publicado determinando as normas e regras que valem até os dias atuais.

 

 

Sobre o sistema Heki-Ryû-Insai-Ha (auch: Heki-Tô-Ryû)

O Heki-ryu foi fundado no séc 15 por Heki Danjô Masatsugo que chegou a virar uma legenda por causa de sus tiros precisos. Conforme as lendas, na batalha de Uchino ele conseguiu somente com seus gritos de guerra afugentar o inimigo. Mais tarde ele chegou  a ser considerado a encarnação do deus da guerra Hachiman (um deus Shinto que também é venerado no Budismo como Bodhisatva) O que se sabe dele é que ele nasceu na provínvia Iga (perto de Kyuto) começou como Ho-Sha (arqueiro a pé) e foi promovido par instrutor de arqueiros na família Yoshida. Aos 59 anos virou monge na montanha Koya onde morreu em 1500. Heki Danjô Masatsugu ensinou Yoshida Kozuke no Suke Shigekata e seu filho Yoshida Izumo no Kami Shigemasa no seu estilo revolucionário de Kyujutsu. O estilo Heki-Ryû continuou a ser ensinado na casa Yoshida e por isso é também conhecido como o estilo Yoshida-Ryû. Com o passar do tempo se desenvolveram os „Shichi-Ha“, os sete ramos do Yoshida-Ryû.

Yoshida Genpachirô Shigeuji (Kyôtô, 1562 - 1638), conhecido como o melhor arqueiro de sua época (por volta de 1600) foi contratado por Shôgun Tokugawa Ieyasu como mestre de arquearia. e como sinal de tal status (de ser o mestre na casa do shogun) seu estilo Heki-Yoshida-Ryû recebeu o direito de usar o título de Kanji „Tô“ em seu nome e assim o nome do estilo foi modificado para Heki-Tô-Ryû (a escola que ensina o shogun).

Seu irmão mais novo Yoshida Gohei Sadakatsu fundou a linha Okayama do Insai-Ha que existe desde a metada do séc 18 e tem sua continuidade na família Tokuyama. Tokuyama Bun’emon Takanori (falecido em1897) foi o professor de Urakami Naôki, cujo filho Sohn Urakami Sakae (1882 - 1970) foi professor de Inagaki Genshirô Yoshimichi (1911 - 1995), o priemiro mestere oficial de Kyûdô (Tokyo Kyoiku Daigaku, Tokyo) e depois na universidade de Tsukuba, sendo aí denominado de Tsukuba-Shi (Ibaraki-Ken).

 

Urakami Sakae Hanshi, mestre do estilo Heki ryu Insai-ha escreveu:

O objetivo do tiro com arco é, através de treino e determinismo, auto controle e correção, fortalecimento dos tendões e ossos, com o objetivo (a meta, o alvo) mantendo se no Ho (as regras) acertar o alvo. Por isso, todos aqueles que querem atirar com um arco têm que primeiro determinara suas intenções, controlar sua mente e executar as regras (normas) direito, começando com ashibumi, dozukuri, torikake, tenouchi,yugamae, ushiokoshi, hikivake, sanbun no ni, tsumeai, nobiai, yagoro, hanare e zanshin.

Se a postura estiver certa, então as tuas juntas se alinharão precisamente, a tenção muscular estará bem balanceada, seu puxar será de acordo com o seu tamanho, sua mente estará repousada e não será afetada por distrações, seu corpo estará cheio de vitalidade, você e o arco serão uma unidade e o arco irá se encher de força e vida. Desta forma terás que permanecer, de tal foram que todos estes elementos se realizam para que o soltar da flecha aconteça de sozinho (automaticamente).

Uma flecha atirada desta forma jamais irá errar o alvo. Ela irá errar porque tu, por exemplo, está pensando de mais. Não é que nem no mosha guchu (uma flecha atirada com sorte) e sim que nem no Hôsha hitshu (um tiro de acordo com as regras nunca erra o alvo).

É importante eliminar qualquer dúvida, mesmo o nosso pequeno Eu, e ser um com a natureza, não pensar e delimitar, e sim, transcender o pensamento e a vontade de querer (o desejo), e como algo que é refletido num espelho ou a lua que é refletida num lago, acalmar a visão interna e imergir no mundo do munen muso (sem intenção, sem pensamentos) e depois direcionar a flecha de acordo com as normas.

 

PROF. GENSHIRO YOSHIMICHI INAGAKI
9. DAN HANSHI (1911-1995)
Gran Mester do  HEKI TÔ RYU (1970-1995)

 

Sanbun no ni:
(o segundo de três)
 

Nobiai:
(o aumento da força)
 

Zanshin:
(a forma e a mente ficaram para trás)