Make your own free website on Tripod.com

voltar

Observando a postura de tiro pode-se determinar o caráter do arqueiro

"ditado Coreano"

 

A postura

 

 

A postura se pode dividir em quatro níveis:

 

1. Os pés

2. A cintura e as costas, a região lombar

3. Os ombros e as costas

4. A cabeça

 

Vamos começar a analisar cada um destes segmentos:

 

1.Os pés

 

Existem vária possíveis posições para os pés. Na realidade não importa como você se posiciona, tanto faz se você esta com ambos os pés no chão, ou só com um, se está atirando de joelhos ou até virado de cabeça para baixo. A postura que você assume durante o tiro é irrelevante, o que importa é que você sempre faça a mesma postura em todos os tiros. Isso quer dizer: se você consegue repetir sempre a mesma postura durante cada tiro, essa postura será a adequada para você. Isto é a regra básica. Se você consegue atirar de cabeça para baixo e sempre repetir essa postura em cada tiro, ótimo, atire de cabeça para baixo. Só que para aqueles que não são capazes de atirar de cabeça para baixo ou num pé só, para tais existem certas regras básicas.

 

Estas regras são uma forma de molde inicial, para facilitar o aprendizado da lógica do tiro. com o tempo, conforme a individualidade de cada um, cada arqueiro irá modificar a postura básica de acordo com seu corpo.

 

Então vamos lá, os pés:

 

A posição básica dos pés e mantê-los paralelos com a linha de tiro, e afastado um do outro da largura do próprio ombro.

 

No desenho abaixo podemos ver várias possíveis posicionamento dos pés:

 

A postura básica é o nº 1, neste caso os pés estão paralelos e alinhados com a linha de tiro. esta postura é a mais estável de todas e também a mais neutral. O importante nesta postura que os pés estejam alinhados com a cintura e os ombros. esta é uma postura muito fácil de ser repetida, ela é flexível e proporciona uma melhor e mais fácil adaptação á circunstancias locais que nem vento.

 

No segundo caso temos onde um dos pés está virado para fora. Alguns atletas gostam desta postura porque ela induz maior segurança e estabilidade (que é mera ilusão). a razão disso é muitas vezes uma certa fraqueza dos tecidos de sustentação que nem os tendões e dos músculos que estão encurtados por falta de exercícios de alongamento. A postura não é errada. o importante é que o arqueiro sempre toma de novo a mesma posição de pois de cada série de tiros.

 

No terceiro caso temos algo muito comum, mas que deveria ser evitado caso for possível. esta é uma postura um pouco estável, principalmente quando venta. Mas existem muitos arqueiros que têm dificuldade em manter os pés paralelos e assim acabam por escolhendo esta postura. Para tais arqueiros eu recomendo então uma postura mais que nem a segunda, par dar um pouco mais de estabilidade.

 

O quarto exemplo é uma variação da primeira postura, neste caso o arqueiro optou por bota um pé mais para trás. Esta adaptação se pode fazer para compensar certa fraqueza muscular das costas e dos músculos laterais. Muitas vezes ela é adotada para compensar o vento ou até cansaço, especialmente no fim de provas. Ela tira um pouco da agressividade do tiro, e ao mesmo tempo facilita a abertura do peito assim possibilitando um tiro mais limpo e correto. Não deveria ser uma opção para a postura básica mas pode ser usada como uma alternativa, uma adaptação momentânea. O ponto fraco nesta postura é que ela acentua a curvatura das costas na área lombar, e isso causa mais instabilidade no tiro. O ponto forte é que ela aumenta o alinhamento do braço que segura o arco com o ombro e as costas, dando assim mais estabilidade ao braço.

 

A quinta postura é uma postura agressiva. neste caso o pé de trás fica um pouco na frente do pé que amostra para a linha de tiro. Esta postura é muito adotada por arqueiros compostos. Nesta postura o corpo fica mais virado para o alvo, a concentração acaba sendo mais agressiva, a puxada não tão longa. esta postura é boa para aliviar a tenção das costas, especialmente quando se começa a cansar durante campeonatos. ela alivia a área lombar das costas, endireitando as costas. O ponto fraco é que esta postura enfraquece o braço que está segurando o arco, desalinhando-o ligeiramente da posição ideal.

 

como podemos ver não existe a postura perfeita. O que existe são elementos fisiológicos que irão divergir de corpo para corpo. cada arqueiro tem que ser analisado individualmente e corrigido conforme a sua necessidade.

 

 

 

2. A cintura e as costas:

 

O segundo elemento muito importante é a cintura. Como base podemos afirmar que a cintura deveria estar alinhada com os pés e os ombros.

A cintura é uma junta que conecta os pés ao resto do corpo, e é através dela que podemos endireitar e balancear o corpo.

No desenho acima podemos ver bem claro. A figura 1 é a postura ideal. A cintura está alinhada com o resto do corpo. Desata forma se pode economizar o máximo de energia e força ao puxar o arco. cada desalinhamento vai forçar mais a musculatura e conseqüentemente cansar o corpo mais rápido.

 

O caso 2, acontece quando o arqueiro mantém a posição 5 dos pés que acabamos ver acima. Neste caso, se tenta compensar a virada do torso. Esta postura da cintura diminui a abertura dos braços e do peito, obrigando o arqueiro a fazer uma abertura menor. Ela pode causar que uma flecha, mesmo sendo puxada até a sua puxada normal (o cliker no caso do recurvo, ou o martelo no caso do composto) cai durante o tiro. A razão é que ao atirar o braço que segura o arco perde tenção  fazendo com que a flecha não sai com o mesmo ímpeto. O outro problema desta postura é que as flechas tendem a ir mais para a direita para arqueiros destros e vice versa para canhotos.

O que isso no quer dizer, é que, quando se está cansado, ou por uma razão não clara, no meio do campeonato todas as flechas começarem a ir mais para a esquerda, depois de ter ajustado a mira, se pode compensar tal falha inexplicável, movendo um pouco o pé para a frente, até a próxima pausa para concertar o erro no arco.

o que nunca podemos e devemos esquecer é que cada mudança de postura gera uma mudança na mira.

 

No caso 3, a cintura foi movida para trás para compensar a posição dos pés conforme o caso quatro. O efeito aqui é o contrário do efeito do caso 2. Neste caso as flechas tendem a ir para o lado esquerdo para arqueiro destro, e vice versa para canhoto. esta postura se dá devido ao posicionamento dos pés na posição 4.

esta postura causa um excesso na curvatura da parte lombar da coluna conforme o desenho abaixo. o certo seria uma postura que nem o desenho 1. Mas muitas vezes acontece que o arqueiro (a) tende a adotar uma postura que nem o desenho 2. Inclusive muitos arqueiros, e em especial arqueiras de ponta e de nível olímpico e mundial adotam esta postura. esta postura não é saudável a longo prazo. Nós não queremos praticar este esporte só por alguns anos e sim a vida toda, por isso temos que cuidar do corpo já no começo e não depois dele estar danificado.

Uma opção par melhor a postura seria conforme a velha tradição e tiro com arco tradicional coreano, trazer o bumbum para a frente tencionando as pernas e a barriga para dentro. infelizmente isso é difícil, especialmente quando se atira com um recurvo com laminas pesadas. O problema é que ao fazermos força, par podermos segurar o arco e puxá-lo direito, muitas vezes compensamos a falta de força nas costas com os músculos da cintura e da parte lombar da coluna assim acentuando a curvatura natural da coluna até o excesso prejudicando a nossa postura e a nossa saúde.

E por fim temos o posicionamento da postura em relação ao resto do corpo.

No desenho acima a postura 1 é ideal e a única certa. esta é uma das poucas exceções em que se deve realmente tentar manter o que está prescrito.

 

No caso 2 acontece quando o arco é muito pesado e o arqueiro não está treinado para segurar o arco. Aí o arqueiro tenta compensar recuando com o corpo para trás, e na maioria das vezes ele (a) nem, seque nota este erro fatal.

existe duas forma de corrigir este erro depois de ter treinado o braço e fortalecido a musculatura do braço que segura o arco. Uma possibilidade seria conscientemente trazer o corpo para frente como se estivesse empurrando o arco. E a segunda forma seria deslocar somente a cintura um pouco para trás para compensar o ombro  e assim alinhar o corpo.

o ideal seria combinar ambos os movimentos, empurrar um pouco o arco e trazer ao mesmo tempo a cintura para trás, sem cometer o erro de exagerar nos movimentos e acabar que nem na figura 3, onde a maior parte do peso do corpo acaba em cima de uma só perna.

 

É evidente que existem anomalias físicas que vai fazer com que certos atletas acabem adotando uma postura menos ortodoxa, mas isso não dever ser usado como desculpa para falta de treino. e mesmo para tais arqueiros, a meta é chegar o mais próximo á postura central que nem na figura 1.

 

no desenho acima podemos ver as musculaturas das costas, em especial as dos ombros e da nuca.

 

3. Os ombros:

 

 

A posição dos ombros é essencial para um bom tiro. Os braços e a puxada tem que estar alinhada com os ombros, e sobre este aspecto iremos falar no próximo capítulo: a pré puxada e a puxada

O alinhamento dos ombros tem que ser de tal forma que ao fazer a minha puxada final eu possa utilizar a musculatura das omoplatas e das costas para terminar o meu tiro.

Por isso é muito importante o alinhamento entre cintura e ombros para que eu tenha a maior abertura possível  sem correr o perigo de abrir demais.

Quando o braço que segura o arco estiver alinhado com o ombro, a própria anatomia do corpo cria uma estabilidade e suporte do braço, de tal forma que eu não preciso de usar força para manter o arco no lugar e estendido. O ombro forma uma concha que envolve o úmero, o osso do braço.

 

Quando o braço está estendido em uma linha reta com o resto do ombro, então o úmero se encaixa perfeitamente nesta concha tendo suporte na escápula.

Agora se o alinhamento não for perfeito e o braço tender mais para a frente ou para trás, somos obrigados a exercer força para manter o arco posicionado, e quanto mais potente for o arco mais força somos obrigados a exercer.

Este desalineamento faze com que depois de cada tiro o arco tende a cair par um ou para o outro lado fazendo com que a flecha não acerte o centro do alvo.

 

Se a posição da cintura estiver para trás a tendência é mover o braço depois do tiro para trás. Se a cintura estiver virada para a frente, a tendência é mover o braço para a frente. A razão é bem simples. a pressão do arco é maior do que a nossa capacidade de mantê-lo estável. Enquanto tiver pressão, o arco é mantido estável, mas no momento em que a corda for soltada a pressão automaticamente repentinamente desaparece causando assim uma des-estabilidade no braço, que por sua vez vai influenciar a trajetória da flecha.

 

Pegue um companheiro e peça para ele empurrar lateralmente o seu braço estendido. Resista á pressão. Agora peça ao seu companheiro para tirar a preção repentinamente do seu braço sem antes avisar. o que vai acontecer? O seu braço se move na direção de onde vinha a pressão.

 

 

 

No desenho abaixo podemos ver a articulação do ombro, os tendões e a musculatura. Embaixo também temos os principais problemas que afetam o ombro: a bursite, a tendinite, lesão de impacto e da rótula. Das mencionada as lesões que podem ocorrer são a bursite e a tendinite, em especial devido a postura errônea e por causa de uma potência exagerada do arco.

 

 

 

 

4. A cabeça:

 

A postura da cabeça é muito importante, porque é ela que vai determinar se a flecha vai acertar o alvo ou não. Cada mudança na postura da cabeça vai ter um enorme efeito indesejável.

A razão é simples. Quando usamos a mira, os pontos de referencia têm que ser os mesmo com cada tiro. Se tais pontos hora toda forem diferentes a mira nunca estará ajustada adequadamente.

No capítulo anterior nós aprendemos a respiração adequada e a posição adequada da cabeça.

Nós lemos que primeiro devemos inspirar, e abaixar o queixo. Por quê abaixar o queixo? Muito simples. se você se posicionar na frente de um espelho e se olhar você irá notar que você não esta reto, e sim mantém a cabeça um pouco inclinada para trás e o queixo um pouco elevado. Agora, olhando o espelho tente endireitar o corpo e olhar diretamente nos seus olhos. Agora você irá notar que o seu queixo tem que abaixar para você olhar reto, isso causa uma certa tenção na sua nuca. isso é norma porque a musculatura de sua nuca está um pouco atrofiada por causa de pouco exercícios e muita tenção.

Com a cabeça agora reta você a vira para o lado, se você for destro para o lado esquerdo e olhe por cima do ombro esquerdo. se você for canhoto o contrário. Se você fizer tudo certo o eu queixo fica baixo. agora se você não olhou reto e sim permaneceu com o queixo elevado e o virar você irá torcer o pescoço e inclinar a cabeça. e é exatamente isto que nós queremos evitar, torcer o pescoço e mover o queixo lateralmente.

O objetivo do tiro é repetir a mesma postura em cada tiro, quanto melhor você consegue repetir a mesma postura mais certeiro será o seu tiro. Cada inclinação vai mudar o vínculo entre o seu olho e a mira e também vai mudar a referência de ancoragem assim mudando as referencias da mira. Sobre este tema iremos falar no próximo capítulo: a ancoragem.

Como podemos notar, a posição de sua cabeça e muito importante porque é a sua cabeça que vai servir como ponto de referencia para o ajuste da mira. No desenha abaixo podemos ver a diferença entre olhar reto e olhar inclinado.

 

A postura A a cabeça está reta e a nuca endireitada. Se mantermos esta postura ao viramos o cabeça para o lado ela irá virar reta sem inclinação. Nesta postura temos que trabalhar menos músculos e els conseguem trabalhar com maior constância.

 

Já na figura B notamos que ao relaxarmos a postura o queixo sobe e nós na realidade não olhamos reto e sim de coma para baixo com um pequeno vínculo. Ao virarmos a cabeça para o lado, não só levantamos desnecessariamente o queixo como inclinamos a cabeça, e é esta inclinação que torna o tiro fatal porque ela nunca é repedia identicamente.

 

É evidente que existe exceções devido a certos problemas musculares ou outras razões, que evitam o arqueiro (a) a manter a postura ereta, mas nem por isso devemos treinar esta postura.