Make your own free website on Tripod.com

voltar

Observando a postura de tiro pode-se determinar o caráter do arqueiro

"ditado Coreano"

A pré puxada e a puxada

 

A puxada da corda se divide em 6 etapas.

1. Etapa, a postura

Ela começa no momento em que você segurou a corda do arco com os dedos.

Como já vimos no capítulo anterior, a puxada começa praticamente no momento em que você se posicionou e depois de ter botado a flecha na corda segurou a corda. Esta é a primeira etapa. É o momento em que você ajusta a mão esquerda no punho do arco (para arqueiros destros) e os dedos da mão direita na corda do arco.

Você relaxa os ombros, apóia o peso do arco nos dedos direitos, apontando a flecha para baixo, olha para a frente e começa a se concentrar. Esta também é a primeira fase de concentração.

 

2. Etapa, levantar o arco

Agora você levanta o arco sem fazer puxada, e mantém a mira no alvo. Esta é o preparatório para todo o processo de tiro. Aqui você inspira e puxa devagarzinho a corda (pré puxada), mantendo o cotovelo do braço direto alto até chegar com a mão direita ao queixo (para destros, canhotos o contrário).

Como podemos ver nos desenhos acima, o braço ao puxar a corda mantém o ombro elevado.

Existem vária formas de fazer a puxada:

1. Ao levantar o arco se puxa um pouco a corda de tal forma que o arco quando estiver á altura do alvo já está estendido um pouco. esta era uma forma adotada na Europa por muitos anos. eu notei que ela tem um problema. Ao fazer esta pré puxada, acontece que o músculo é tencionado numa posição diferente a da puxada final (com o braço apontando para baixo). Aí quando eu levantar o braço esquerdo, o músculo do braço direito por já estar tencionado precisa de muita força para continuar a puxada. Esta técnica exige muita força desnecessária.

2. Nesta técnica se eleva o arco acima da visão e se faz uma pré puxada e ao puxar a corda se desce o arco até ele estar á altura do alvo e a mão no queixo. Esta técnica é boa quando se quer compensar um excesso de potencia no arco. O ruim nela é que pode acontecer ao descer o arco até a altura do queixo e do alvo, se tende a levantar o queixo para acomodar a mão no queixo. E tal mudança de postura pode comprometer o tiro. Ela só não compromete o tiro se o arqueiro for capaz de repetir o mesmo movimento sempre de novo, algo difícil.

3. Esta técnica é a que eu recomendo. Ela é também atualmente usada pelo time olímpico Italiano que conquistou ouro nas olimpíadas de Atenas. A técnica é simples. Se eleva o braço com o arco até a mira dar no centro do alvo. depois, devagar se puxa a corda, acertando a postura. Desta forma a mão que puxa vai de sozinho na posição certa debaixo do queixo sem comprometer a postura. A pré puxada e a puxada se tornam uma unidade, e a mira é sempre mantida no alvo.

 

Para testar a postura correta:

Um bom teste é ficar de braços abertos, olhar para o lado e depois dobrar o braço direito até o queixo mantendo o cotovelo alto. desta forma se tem a postura ideal para a puxada.

A pré puxada se dá ao puxarmos a corda lentamente e devagar com uma pressão constante e contínua, num movimento fluido e lento. A pré puxada se torna uma unidade com a puxada final. Desta forma evitamos puxar a flecha demais e ultrapassar o cliker antes do tempo.

Se formos puxar rápido para compensar o excesso de potencia, a flecha facilmente irá ser puxada demais e passará o cliker antes do tempo, antes de termos mirado certo. A puxada rápida é um sinal que o arco está pesado demais para o arqueiro (a).

Na hora da puxada se deveria concentrar no cotovelo e não no braço ou ombro. Se deve mover o cotovelo para trás e não o ombro. Desta forma se evita que o movimento é feito com o ombro, sobrecarregando o ombro. Ao se concentrar no cotovelo, automaticamente o movimento é feito com a musculatura das costas e da omoplata em conjunto com a musculatura do ombro, assim facilitando o movimento e cansando menos a musculatura.

 

3. Etapa, a ancoragem

Esta terceira etapa é essencial. Se a postura da cabeça estiver correta ao puxar a corda, automaticamente a corda irá tocar a ponta do nariz e ao mesmo tempo a mão irá encontrar seu lugar ao lado inferior do queixo. Qualquer variação na posição do queixo irá mudar a trajetória da flecha.

O importante nesta fase é, depois de ter acertado a mira no alvo, com a mão que está segurando a corda, alinhar a corda com um ponto fixo no arco, este ponto pode ser a parte interna da janela da empunhadura, pode ser o lado interno ou lateral da mira.

A terceira etapa se caracteriza pela concentração final e o ajuste final da mira. É nesta fase que o arqueiro ajusta a corda no arco movendo ligeiramente a mão no queixo para dentro ou fora.

Nesta fase a concentração está no seu auge, a respiração parou por completo, o tempo parou, somente existe o alvo, o arco, a flecha e o arqueiro. A postura está perfeita e o arqueiro está pronto par soltar a flecha.

Sobre este tema iremos falar mais adiante no próximo capítulo.

 

4. Etapa, soltar a corda

Nesta etapa o arqueiro se concentra no cotovelo, puxando-o mais para trás, e ao puxá-lo sem alterar a posição da corda no arco, a flecha passa o cliker que avisa a puxada ideal. è neste momento em que o arqueiro solta a corda, mantém o arco erguido e a mente acompanhando a flecha até ela atingir o alvo.

Aqui a concentração termina, o arqueiro somente fica atento ao seu mundo.

Sobre este tema iremos falar mais adiante no próximo capítulo.

 

5. Etapa, o momento final

Esta é provavelmente a mais importante de todas as etapas do tiro. Depois da flecha ter acertado o alvo, o arqueiro espira o ar e relaxa toda a musculatura. ao mesmo tempo ele relaxa a mente e a concentração. Aqui o arqueiro esquece o tiro, não se concentra no tiro e muito ,menos em ter que acerta ou quere acertar.

esta é a fase mais difícil de se treinar, porque a nossa mente está condicionada a procurar resultados, ela está condicionada a ter sucesso. Mas, é exatamente neste momento, por uma fração de tempo, que temos que relaxa e desligar, para depois podermos nos concentrar de novo. se não conseguirmos desligar o próximo tiro ser5á afetado pela nossa preocupação ou insatisfação.

 

6. Etapa, o começo

Depois de termos relaxado, abaixado o braço, nós conferimos o tiro e acertamos o arco se for necessário. e de novo estamos pronto para o novo tiro, que deveria ser o primeiro e único tiro. O que foi era, o que vai ser ainda não é, portanto ambos não interessam. A única coisa que interessa é o momento, e isso significa o tiro que estamos prestes a fazer.